O Canta Viola surgiu em 1999 e realizou diferentes trabalhos ao longo da carreira, apostando nas afinidades musicais que o estilo permite. Formado por Laura Campanér e Zé Terra o duo Canta Viola tem a sonoridade típica da música de raiz, com a viola caipira e o violão de aço, sempre acompanhada de percussão brasileira.

Entre seus trabalhos o Canta Viola resgata a simplicidade das antigas duplas do passado, convidando para o seu show a atriz Alessandra Brantes, que interpreta a personagem Rosinha, uma moça do campo que conta causos de sua terra, criando um clima descontraído.

Shows de repertórios especiais foram uma constante na trajetória do Canta Viola.
Explorando vertentes regionais, o duo incorporou outros músicos à sua formação, num trabalho que ficou conhecido como Vitrola Caipira. Acompanhados de acordeom, baixo e bateria, o Canta Viola estendeu seu repertório incorporando os arrasta-pés do interior paulista.

Outro mergulho na diversidade musical foi o show Raul do Sertão, de 2005, com músicas do lado rural de Raul Seixas. Aproveitando a curiosa coincidência de que o nome Raul – como ele mesmo gostava de dizer – é Luar ao contrário, e remetendo seu nome ao Luar do Sertão (antiga canção de Catulo da Paixão Cearense que o Duo gravou), o Canta Viola trouxe para seu show uma série de canções de Raul Seixas que falam de natureza, como Capim Guiné, Minha Viola e Mata Virgem, entre outras.

Aproveitando o embalo do intenso convívio com Zé Terra naquele ano (2005), Laura gravou o terceiro álbum do Duo Canta Viola, batizado de Fogão à Lenha. Disco inédito com clássicos da música raiz e quatro canções autorais. Do trabalho gravado, estão disponíveis na web apenas as músicas Porteira Aberta (Laura Campanér/ Bel Carrilho Martins), Fruta Madura (Laura Campanér/Luísa Gimenez) e Abrir a Porta Sorrindo (Zé Terra/Luísa Gimenez).

Assista o Duo Canta Viola:

Saiba mais:
Colcha de Retalhos é o primeiro álbum do Duo Canta Viola, lançado em 2001 pelo selo Borage Diskos, e presta uma homenagem a Cascatinha e Inhana, dupla que se consagrou na década de 50 com as canções Índia e Meu Primeiro Amor (ambas de José Fortuna).

Natal Caipira é o segundo álbum do duo, lançado em 2005 pelo selo Borage Diskos, também dedicado à pesquisa, que reúne um repertório composto de temas natalinos e Folias de Reis de diversas regiões do Brasil, gravadas com a formação tradicional do violão, viola caipira, rabeca (viola de arco), cavaquinho e percussão.