O grupo Proas Claras, estreou em 2006 e desenvolveu ao longo da carreira, diferentes trabalhos lítero-musicais que resultaram numa trilogia, abarcando o universo de autores consagrados da literatura brasileira: o poeta amazonense Thiago de Mello, o poeta gaúcho Mário Quintana e o poeta mineiro João Guimarães Rosa.

À convite de Laura Campanér, as atrizes Alessandra Brantes e Azê Diniz incorporaram o trabalho batizado de Proas Claras, em alusão a um poema de Thiago de Mello.

O primeiro trabalho do grupo Proas Claras foi Amazônia, Pátria Da Água, sobre textos de Thiago de Mello. Baseado no livro Mormaço na Floresta (1984), o trabalho busca um olhar para a floresta de diferentes formas, a nascente do rio Amazonas, a extensão de suas águas, a importância da floresta como pulmão da humanidade e a vida do poeta, em seu intenso envolvimento com a floresta.

O Espelho Mágico, segundo trabalho do grupo, é baseado na poética de Mário Quintana e reúne trechos do livro Espelho Mágico (1951), permeados de músicas compostas sobre poemas escolhidos do livro Canções (1941).

A terceira montagem foi Ser Tão Rosa, que reuniu três obras de João Guimarães Rosa – trechos de Grande Sertão: Veredas, trechos do livro de poemas Magma (1936) e trovas do livro Corpo de Baile (1956). O trabalho traz à tona o universo regional do autor, numa observação da vida sertaneja, do ambiente e da gente do sertão mineiro.

Assista trechos do show sobre Mário Quintana